quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Fotografias eternas

Ando abrindo antigos álbuns de fotografias com uma assiduidade assustadora. Fico imaginando se não é o inconsciente medo de ficar velho que faz com que eu me agarre de alguma maneira ao passado na tentativa de buscar restos de uma juventude que o inexorável tempo fez esvair.


Ou esta mania nada mais é do que visitar uma época em que a inocência ainda não havia saído do meu rosto, em que quase tudo estava por vir, em que planos e sonhos eram feitos e esquecidos com a mesma velocidade. Uma época em que a ansiedade ditava o ritmo.


Vejo gente sorridente, de trinta anos atrás e vinte quilos atrás, posando para kodaks, eternizando a vida. Gente feliz, e eu no meio, na utópica expectativa de que a vida seria sempre bela com todas as cores e tons possíveis. Salutar utopia, força motriz que rege os jovens de todas as idades.

Vou folheando as páginas num flash-back sereno. Cada foto traz uma história. Fatos há tanto esquecidos ressurgem contundentes me fazendo lembrar de prosaicos detalhes. Estes papéis retangulares com imagens nos transportam magicamente. São poses sem grandes variações, mas quase sempre denotando atitudes firmes e positivas sob a estampa da felicidade. Ou perto disso.

Fartos cabelos, sorrisos e projetos. Escassos medos, dores e solidão. Tristezas momentâneas pontilhando duradouras alegrias traçavam largos e claros caminhos e éramos para sempre invencíveis. Bebíamos nosso elixir diário e dormíamos absortos para enfrentar com garra e prazer o dia seguinte.

Movimento é a palavra exata para resumir esse tempo. Constante movimento para ocupar todos os lugares em todas as horas, uma necessidade atroz de não perder nada, como se não fosse permitido ficar para trás, do lado ou de fora. Era preciso ser, estar, viver.


Vejo nessas fotos pessoas que já se mudaram para longe daqui ou além daqui. Outros que continuam por aqui e uns poucos que, para minha alegria, continuaram a sair nas minhas fotografias nos últimos anos, nos últimos meses, nos últimos dias. Foram tantos os caminhos, nem tão largos nem tão claros para chegar à crua e real consciência da finitude.


Nas nossas fotos de hoje são escassos os cabelos, os sorrisos e os projetos. Fartos são os medos e as dores, e a solidão parece rondar o ambiente. Uma dose de dissimulação substituiu aquela sã e doce ingenuidade, e o movimento é mais lento. Mas, olhando detidamente, é possível perceber que há muita vida pulsando na busca da utópica invencibilidade. Às vezes a lente pode não captar a estampa, mas ela está lá. Ainda que descorada, mas está lá.

(Publicado no jornal O Diário do Norte do Paraná em 17/12/06)

2 comentários:

Anônimo disse...

Sucesso no Blog, você é gente!

Um abraço

Dionisio

Diniz Neto disse...

Grande De Paula!
Seu blog chega em boa hora.
A blogosfera aceita bem inteligência e ética, aplaude quem mostra a cara, respeita aqueles que assinam embaixo.
Sobre os velhos guardados... camarada, o tempo passa.
Até a Dona Rosi está fazendo 45 - hehehehehe...
Sucesso é o que desejo para vc e o seu blog.