segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Gente da imprensa - Ronaldo Nezo




Data nascimento:
01/03/1975
Onde trabalha?
CBN Maringá e Faculdade Maringá
E-mail:
Blog:
Quando você começou a trabalhar na imprensa e como foi o início?
Comecei em 1989, numa rádio AM, em Umuarama. Era um programa semanal, nos fins de semana. O programa terminou em 90. Fiquei três anos distante do rádio. Voltei em 1993. Meu retorno foi num programa diário de esportes. Meses depois, fui convidado para ser repórter de um programa policial da emissora. Não me empolguei com a nova missão e, quatro meses depois, passei a apresentar um programa popular na rádio. Foi um período muito bacana, porque ganhei a confiança da direção, passei a trabalhar noutros projetos... Quando veio a eleição de 94, ganhei espaço como repórter da emissora e ainda mantive meu programa na grade diária. Foi um período muito legal. Em 95, tive uma recaída pela Contabilidade e deixei as reportagens. Fiquei um ano e meio trabalhando num escritório e também com duas horas no rádio. Em 96, vim para Maringá com o objetivo de ajudar a montar a primeira emissora evangélica da cidade, a Novo Tempo.
O que você já fez na vida além de trabalhar na imprensa?
Trabalho na Faculdade Maringá. Dou aulas no curso de Jornalismo.
Em quais veículos de comunicação você já trabalhou?
Não foram tantos. Geralmente fico bastante tempo nas empresas para as quais trabalho. Comecei na Inconfidência AM, depois na Novo Tempo FM, Jornal Hoje e agora estou na CBN. Não sei vale contar, mas tive uma passagem meteórica pelo Diário. Foi rápido demais, porque comecei numa quarta-feira no jornal, mas na segunda já estava na CBN.
Quais as suas reportagens mais marcantes?
Quase sempre, gosto muito do que faço. Entretanto, sou ligado à educação. Por isso, sempre que tenho oportunidade de discutir o tema, sinto-me muito mais útil à sociedade.
Quais as maiores alegrias atuando na imprensa?
Ser jornalista é minha maior alegria.
Quais as decepções?
Decepções a gente não compartilha.
Quais os planos?
Vida longa na imprensa e o sonho de construir uma carreira que sirva de referência ética, principalmente numa cidade onde muita gente ainda vê jornalista como alguém que quando fala bem de alguém é porque está ganhando algum dinheiro por fora; quando critica, é porque faltou o "patrocínio".
Já pensou em fazer outra coisa na vida?
Sempre quis ser professor. Felizmente, é um sonho que tenho realizado.
Quem você admira na imprensa?
Caco Barcellos.
Mensagem:
A riqueza de uma nação se mede pela riqueza do povo e não pela riqueza dos príncipes. (Adam Smith)

Um comentário:

Diniz Neto, jornalista disse...

Ronaldo, boas observações, bons projetos.
Boa sorte.